Faixa publicitária
SELO: Um olhar atento à educação (in)formal nos dias actuais - Por Basílio Macaringue
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Vozes - @Hora da Verdade
Escrito por Redação  em 06 Agosto 2018
Share/Save/Bookmark

A escola prepara as crianças para o mundo real? Essa é na verdade uma pergunta parcialmente retórica. Tem sido muito comum entre nos, como pais e encarregados de educação, o uso da frase "estuda com afinco, tire boas notas e você encontrará bom emprego com um salário alto". Sem querer dar muitas voltas, a frase em si revela que o objectivo dessa orientação é oferecer instrução de modo que no futuro tenha oportunidades de sucesso.

Por outra, o objectivo da educação (in)formal nos dias remotos era o de construir um futuro brilhante, com uma trajectória profissional bem definida e uma aposentadoria precoce genuína. Embora disso surgem carreiras bem-sucedidas, elas acabam não indo exactamente ao encontro da vocação pessoal. Dai a crescente mudança de empregos, áreas de formação... pelas razões consideravelmente certas.

Certas vezes, filhos chegam em casa decepcionados com a escola, aborrecidos e cansados de estudar e perguntam: porquê tenho que perder tempo estudando coisas que nunca aplicarei na vida real? Em momentos como esses, habitualmente nos limitamos a replicar dizendo: porque se você não tiver boas notas, você não vai entrar na Faculdade. É sempre mesma pergunta quando há insatisfação nos resultados escolares, até que a resposta acabe perdendo peso.

Certamente, algumas das pessoas mais ricas do mundo não ficaram ricas por causa da escola, de entre elas o Michael Jordan e a Madona. Até mesmo o Bill Gates abandonou o ensino na Harvard para fundar a Microsoft. Ai percebemos que aquela nossa resposta e, na verdade, uma transmissão da mesma mensagem que recebemos dos nossos pais.

Contudo, o mundo mudou, as coisas também e, tristemente, nos ainda continuamos com mesmos conselhos "estuda com afinco, tire boas notas e você encontrará bom emprego com um salário alto". Por último reconhecemos: nem sempre boa formação e notas altas são o mais suficiente para garantir o sucesso e a plena satisfação individual, pois o que realmente corresponde o tamanho dos nossos sonhos é o encaixe nas nossas vocações.

Por outra, o conselho de um pai pode ter funcionado para filhos que nasceram nos anos de 1970, mas podem ser um desastre para os filhos que nasceram em um mundo de rápida transformação, tal como é o caso dos nossos dias actuais, caracterizados pelo informismo e multiculturalismo. Neste sentido, não basta mais dizer "vá para escola, tire boas notas e procure um emprego tranquilo e seguro". É preciso, no entanto, procurar mais formas de orientar a educação dos nossos filhos em conformidade com o mundo contemporâneo.

Se observar atentamente a vida das pessoas de instrução media (trabalhadores), verá uma trajectória semelhante: a criança nasce e vai para a escola, os pais orgulham-se porque a mesma criança se destaca, tira boas ou altas notas e consegue entrar na Universidade. Posteriormente, talvez faca uma pós-graduação e até faca exactamente o que estava determinado a fazer: procurar um emprego, quem sabe de médico ou advogado ou de economista ou professor. O mesmo processo se repete com a geração seguinte de trabalhadores. Esta é a educação débil.

Notavelmente, algumas pessoas são ricas ou inteligentes e/ou ambos em simultâneo, mas não encontram a realização pessoal. Uma vez que a escola não ensina o que os ricos conhecem, enfrentam..., seguimos os conselhos dessas pessoas até que um dia notemos que partilhamos um sentimento em comum: a insatisfação que não se pode abandonar. Ai reconhecemos que deveria/devo escolher uma profissão pelo que quero fazer e não para ter um emprego seguro ou mordomias ou até mesmo pelo atractivo bolo salarial. Agindo assim, terei a consciência de estar a estudar o que meu coração pede e não porque as empresas estão atrás de determinadas habilidades profissionais.

Hoje, o conselho mais perigoso que se pode dar a uma criança é "estuda com afinco, tire boas notas e você encontrará bom emprego com um salário alto". Esse conselho é um mau conselho porque se realmente desejamos orientar de modo que tenha um futuro financeiramente seguro, ela não pode jogar pelas velhas regras. É arriscado demais.

Assim, quando nos como pais, aconselhamos nossos filhos para irem a escola, se aplicarem e obterem boas ou altas notas para poder ter um bom emprego, fizemos isso muitas vezes em decorrência de um hábito cultural.

"Sempre foi certo fazer isso", mas o mundo actual exige uma reflexão que se encaixa na dinâmica do modernismo, incluindo a variável realização pessoal.

O ideal seria aconselhar nossos filhos para saberem lutar por forma a serem bons funcionários e criarem suas próprias empresas de investimentos.

Por Basílio Macaringue

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom