Faixa publicitária
SELO: Entre “partidocracia”, bipolarização e descentralização da centralização? - Por Dércio Tsandzana
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Vozes - @Hora da Verdade
Escrito por Redação  em 13 Fevereiro 2018
Share/Save/Bookmark

Quando decidi emitir a presente opinião, tive dois constrangimentos: (1) o temor de me alongar e criar desinteresse nas pessoas que vão ler; e (2) o receio de não ter a capacidade necessária para transmitir a mensagem com as palavras certas e perceptíveis para todos. Contudo, pelo sim ou pelo não, segue a opinião para quem puder lê-la.

Há quem chame a comunicação do Chefe do Estado um grande passo para à busca da paz efectiva, e alguns a catalogam de melhor acordo. Mas há quem, ainda, refira a existência de uma violação da legalidade, pelo facto de não se remeter ao Referendo alguns elementos dispostos na Constituição da República, a serem objecto de revisão (no 2 do artigo 292, com destaque para a al. e) do no 1 – Limites materiais). No meio disto tudo eu diria que este foi o acordo possível. É um passo para a paz que queremos, mas ao mesmo tempo, pode configurar um retrocesso sobre o que se pressupõe ser a descentralização.

Desde o início do conflito político-militar, os clamores de Paz eram dirigidos para dois dirigentes: Filipe Nyusi e Afonso Dhlakama, daí que não parece espantoso que hoje fossem os mesmos a decidir pela vida de milhares de moçambicanos. Contudo, o problema não reside aí. Tal assenta, fundamentalmente, em o que foi decidido e com que finalidade.

I. Num célebre livro de Robert Michels, intitulado "Les Partis Politiques - essai sur les tendances oligarchiques des démocraties", escrito em 1914, o termo 'partidocracia' ganhou corpo, apesar do mesmo ter sido verdadeiramente aplicado em um Governo só em 1930 pelo dirigente político argentino, Manuel Fresco. O termo não colhe consensos sobre o que o mesmo significa na essência.

Em poucas palavras, diríamos que o actual acordo sobre a descentralização coloca-nos numa situação de culto à 'partidocracia' - uma deriva da democracia representativa, marcada por uma forma de oligarquia, concentrando o poder dentro de uma (nova) classe privilegiada: os partidos políticos, e onde temos: a) alianças entre os partidos políticos, através da partilha do poder, infringem o sufrágio universal; b) decisões importantes são tomadas pelos líderes partidários cuja imparcialidade não é garantida; c) o surgimento (no nosso caso a manutenção) de partidos políticos fortes, através de alianças capazes de evitar o aparecimento de partidos novos e pequenos e d) o papel do eleitor se limita a corrigir o equilíbrio de poder entre os partidos políticos. Aliás, de alguma forma já vivíamos essa 'partidocracia', olhemos para o peso que os partidos políticos exercem em torno dos edis que eram (até aqui) eleitos e sob a gestão do próprio Estado, exemplos elucidativos não faltam.

II. Notamos, ainda, a cristalização da bipolarização partidária que se concentra entre a Frelimo e a Renamo. Uma simples definição nos diz que a bipolarização pode significar o domínio partidário por duas forças políticas que detêm a maior parte dos assentos no parlamento. Ora, o acordo apresentado é o espelho das duas lideranças partidárias (Nyusi e Dhlakama), o que fortifica a paisagem política nacional que historicamente foi (quase) sempre dominada por apenas dois partidos.

A Frelimo e a Renamo conseguem (mais uma vez) cimentar as suas posições na cena política nacional de forma inequívoca, o que pode revelar dificuldades para que outros partidos possam emergir ou implantar-se. Aliás, bipolarizar a cena política nacional em nome da descentralização é uma forma que permite para que, entre eles (Frelimo e Renamo), haja a partilha do poder que é alicerçada no 'Political Settlement' - processo formal e informal de negociação entre elites, bem como entre o Estado e os grupos organizados na sociedade sobre a organização do poder. Ademais, aqui a Assembleia da República vai ser, tal como sucedeu em 2014, um mero actor que servirá para chancelar/legitimar decisões políticas.

III. Por fim, e não menos importante, quando pensávamos que o pacote da descentralização fosse significar maior abertura e participação do cidadão na escolha dos seus dirigentes, eis que somos brindados com a retirada desse poder (Vide Constituição da República de Moçambique, Título XIV - Poder Local, artigo 271 - 1. O Poder Local tem como objectivos organizar a participação dos cidadãos na solução dos problemas próprios da sua comunidade e promover o desenvolvimento local, o aprofundamento e a consolidação da democracia, no quadro da unidade do Estado Moçambicano; e 2. O Poder Local apoia-se na iniciativa e na capacidade das populações e actua em estreita colaboração com as organizações de participação dos cidadãos).

Ou seja, encontramos na comunicação do Presidente da República, uma tendência de descentralizar a centralização não só nos partidos políticos, mas na figura do próprio Presidente da República. Se a eleição do Presidente do Município era vista como um ganho para a nossa descentralização, ninguém percebe agora de onde emergiu a decisão de se coartar essa decisão aos cidadãos. A tendência que hoje vivemos, já havia sido alertada pelo IESE no seu livro intitulado 'Descentralizar O Centralismo? Economia Política, Recursos e Resultados' (WEIMER., et al), em 2012.

Termino como comecei! Essa proposta de descentralização é um passo importante para a paz que todos nós almejamos, mas um recuo significativo para a descentralização. É verdade que precisamos esperar, porquanto não conhecemos dos detalhes legislativos do processo, mas pelo que foi-nos apresentado até ao momento, é possível emitir alguma opinião.

Por Dércio Tsandzana

Comentários   

 
0 #1 Gia 21-02-2018 11:18
Meet Norway singles online & chat in the forums! DHU is a 100% free dating site to find personals & casual encounters in Norway.


Feel free to surf to my website: Top dating sites New Zealand: http://4econtrols.com/cat3/
Citar
 
 
0 #2 Jonelle 21-02-2018 14:02
We review online dating sites to help you find love on the ...
Top 4 signs you're dealing with a scammer on an ... but Australia is Tinder's third largest ...


Here is my web site ... Top dating sites New Zealand: http://4econtrols.com/cat4/
Citar
 
 
0 #3 Freddy 21-02-2018 19:17
Ten Swedish dating sites you should know about. ... Despite the English name
it is in fact one of the most popular dating sites in Sweden for ...
Top 10 Stockholm ...

My web-site :: Top dating sites
Norway: http://4econtrols.com/cat4/
Citar
 
 
0 #4 Serena 22-02-2018 04:19
Dating NZ Singles is a premium NZ dating website with thousands of active members.
Join for free and find someone amazing from Auckland to
Invercargill.

my blog :: Top dating sites Sweden: http://4econtrols.com/cat1/
Citar
 
 
0 #5 Geneva 22-02-2018 11:43
Cupid knows how to provide you with the most convenient, innovative and enjoyable opportunities for the best online
dating in New Zealand

Feel free to surf to my blog post - Top dating
sites Australia: http://4econtrols.com/cat1/
Citar
 
 
0 #6 Ilana 22-02-2018 22:37
From in-depth reviews of the top Australian dating sites to expert dating
advice, discover everything you need to find love online at topdatingwebsites

Also visit my weblog - Top dating sites Australia: http://4econtrols.com/cat2/
Citar
 
 
0 #7 Gita 23-02-2018 00:58
Compare Australias best dating sites for Aussie singles.

Read our reviews to compare prices and find the online dating website that best fits you.



Feel free to surf to my web page; Top dating sites Sweden: http://4Econtrols.com/cat4/
Citar
 
 
0 #8 Roberto 23-02-2018 19:14
The best online dating sites in New Zealand will have plenty of opportunities for you if you are
looking for love. ... Its security is top-notch, ...


Also visit my web blog ... Top dating sites Norway: http://4Econtrols.com/sitemap.xml
Citar
 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom