Faixa publicitária
Presidente Nyusi recomenda aos maputenses: “Se não estás preparado para viver na capital procura lá outro sítio”
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Tema de Fundo - Tema de Fundo
Escrito por Adérito Caldeira  em 11 Junho 2018
Share/Save/Bookmark

Foto da Presidencia da RepúblicaO Presidente da República disse que existem agitadores de problemas em Moçambique, que até ganham dinheiro graças aos cidadãos que afectados por conflitos de terra, acidentes de viação e inundações urbanas e diante da apatia das autoridades governamentais têm se manifestado publicamente cada vez mais. Em visita a capital do país, Filipe Nyusi recomendou aos seus “patrões” da cidade de Maputo que: “Se não estás preparado para viver na capital procura lá outro sítio”!

As manifestações de cidadãos indignados pelos repetidos atropelamentos dos seus filhos na Estrada Nacional nº 4 assim como na estrada Circular de Maputo, o levantamento dos residentes do bairro de Sidlhwava por alegados desmandos cometidos por militares de um quartel existente na zona residencial, a exasperação dos moradores de algumas bermas de novas estradas que viram as suas casas inundarem durante a época chuvosa, os tumultos populares em alguns distritos da província de Gaza sobre alegados traficantes de órgãos humanos ou mesmo as manifestações de jovens que pedem mais oportunidades de emprego na província de Cabo Delgado são organizadas por agitadores profissionais na óptica do Chefe de Estado moçambicano.

“Essas pessoas algumas já conhecemos, já conhecemos porque mapeamos. Andam de um lado para o outro a procura de problemas, não ajudam, até já tinham ido a Chibuto alguns. Andam informados onde que há problemas, foram a Chibuto a procura, já estiveram em Palma! Mas como é que eles tem dinheiro para poder andar em todos esses sítios a ser senhores agitadores. Afinal essa coisa de ser agitador ganha dinheiro né” questionou Filipe Nyusi durante um comício que efectuou na passada sexta-feira (08) no bairro Ferroviário, na cidade de Maputo.

O Chefe de Estado afirmou que é preciso “parar com isso, pode haver decisões erradas. Por exemplo pode haver quem tirar a terra do outro, não consegue ter machambas lá. É melhor resolvermos o problema. O resultado não é alguém levou a sua terra, você carrega o teu fósforo e vai queimar a casa dele, não é assim. Porque há vezes que você está a queimar a casa da pessoas que não fez aquilo”.

“Eles vão querer perturbar, que o Presidente proibiu para nós não reclamar isso, é isso que eu disse? É bom dizer senhor agitador não é isso que o Presidente disse, o Presidente disse se temos problema vamos falar, não é chorar nem zangar, nem tirar a roupa para parecer que você tem problema, não. Vamos resolver”, acrescentou Nyusi discursando para uma plateia repleta de membros dos órgãos do partido Frelimo.

“Vamos lá desenvolver o nosso país com harmonia”

Foto da Presidencia da RepúblicaFalando de improviso o Presidente de Moçambique declarou ainda que: “Se temos problemas vamos falar, não é preciso chorar nem zangar, ou sair à rua para as pessoas perceberem que você tem dificuldades. Por exemplo, há problemas de terras em Boane. O quartel foi montado ali dentro de um cotexto específico mas se a actualidade não justifica a sua manutenção ali vamos procurar soluções e não andarmos nus em sinal de protesto”, tendo aludido ao Paiol que existiu em Malhazine que foi desmantelado sem que ninguém tivesse saído à rua para se manifestar, sem no entanto referir que a explosão do mesmo causou a morte de dezenas de cidadãos e sua existência foi questionado por diversas organização nacionais e internacionais.

Embora o Presidente Nyusi tenha reconhecido o Direito constitucional à liberdade de reunião e de manifestação apelou para a necessidade de “(...) prestar muita atenção porque o país está a registar incitamentos à desobediência e ao recurso à violência para a resolução de conflitos, não pode ser essa a via”.

“Porque é que está a crescer o nível de nervosismo, onde procuramos resolver problemas com recurso à força? Quase as mesmas pessoa que reclamam em Malhampsene, em Boane, que reclamam na Manhiça e que também estão em Chiango, são problemas concretos que levantam sim, não há dúvida nenhum. Mas porque é que tem que ser a mesma pessoas ou o mesmo grupo a aparecer em todos os sítios que tem problemas, qual é o objectivo que ele tem”, voltou a questionar o estadista moçambicano.

Nyusi disse também que pessoas existem “sentados a pensar para logo que a reunião termine fazer uma confusão qualquer para mostrar que ele está descontente, não se vive de descontentamento. O coração precisa de estar livre e de se libertar e termos espaço para pensarmos nas coisas positivas e é assim que nós podemos desenvolver o nosso país”. “

Não existem esses outros países que você imita que estão a crescer, que estão a desenvolver. Pessoas só ir pôr pneu porque alguém, não, não! Vamos lá desenvolver o nosso país com harmonia. E essa é capital, se não estás preparado para viver na capital procura lá outro sítio”, declarou o Presidente de Moçambique.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 1
FracoBom