Faixa publicitária
Salários só aumentam entre 4% e 12%, comida já aumentou mais de 20% em Moçambique
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Economia
Escrito por Adérito Caldeira  em 27 Abril 2016 (Actualizado em 30 Maio 2016)
Share/Save/Bookmark

Montagem fotográfica @VerdadeO pão que nos roubam no peso ficou 30% mais caro, a água que não é potável para a maioria do povo subiu mais de 15%, a electricidade de má qualidade aumentou 15%, o preço da comida agravou-se em mais de 20% porém o nosso empregado decidiu que o salário do seu patrão só vai crescer entre 4% e 12,5%.

Os trabalhadores moçambicanos, já habituados ao discurso do ano atípico (seja pela seca, devido às cheias, pela guerra ou por culpa da “mão externa”) não tinham grandes expectativas sobre os aumentos salariais anunciados nesta terça-feira(26) pelo Governo de Filipe Nyusi, ainda por cima com as dívidas secretas ilegalmente avalizadas pelo Estado e cujo valor ainda é desconhecido.

“Como tenho ouvido falar das dívidas (da EMATUM e da Proindicus) que o nosso país tem não espero que o salário aumente quase nada”, resignou-se Esmeralda.

Esta professora primária, numa escola pública nos arredores da cidade de Nampula, e que verá o seu salário aumentar menos de 500 meticais não tem ilusões, “nos anos anteriores aumentaram 6% a 7%, é este ano que devo esperar um aumento significativo com todos os problemas que ouço falar? Penso que não. Pelo contrário este suposto aumento ainda vai agravar mais os preços dos produtos. Se dependesse de mim era preciso aumentar no mínimo 20%, tendo em conta o custo de vida”.

Foto de ArquivoO custo de vida que a professora Esmeralda refere-se aumentou, oficialmente, só no primeiro trimestre do ano 6,34% com o maior aumento na “divisão de alimentação e bebidas não alcoólicas”, de acordo com o Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

“Relativamente a igual período de 2015, o País registou um aumento de preços na ordem de 13,61%. A divisão de alimentação e bebidas não alcoólicas destacou-se com um aumento de 22,14%” refere o INE que baseia o seu índice em preços praticados nos estabelecimentos formais.

Outro funcionário da Educação, esse sector prioritário para o “Desenvolvimento do Capital Humano”, afecto no distrito de Rapale e que terá com este aumento anunciado verá o seu salário aumentar menos de 1000 meticais afirma que “estes aumentos têm sido de tal sorte que agravam o custo de vida. Eu penso se aumentassem, pelo menos 1300 meticais seria normal”, lamentou o professor Alexandre.

Agricultura que emprega a maioria dos moçambicanos volta a ter o menor aumento

A maioria dos moçambicanos, cerca de 68%, continuam trabalhar no sector que sempre foi considerado o mais importante nos discursos dos sucessivos Chefes de Estado, o ramo de agricultura, silvicultura e pesca. Porém estes trabalhadores, que do seu suor virá supostamente a segurança alimentar e a redução das importações, continuam a ser os que auferem os piores vencimentos no nosso país e, de forma recorrente, recebem os menores aumentos, no ano passado tiveram um aumento de 5,74% e este ano só terão 3,61% de melhoria salarial.

Eis os salários mínimos aprovados pelo Governo de Nyusi, e que estão em vigor desde o passado dia 1 de Abril:

Função Pública terá aumentos entre 4% e 7%

“O nosso Governo não nos paga bem, disso ninguém tem dúvidas pelo menos nós do Ministério da Saúde. Este 2016 prefiro esperar a percentagem que eles quiserem aumentar”, desabafaou Felisberto, entrevistado pelo @Verdade na semana passada quando foi tornado público o acordo na Comissão Consultiva do Trabalho, que está preocupado com a possibilidade, bem real diga-se, que com este anúncio do Executivo os preços voltem novamente a agravar-se. “O que me preocupa é que o salário sobe uma vez por ano, mas os preços dos produtos, no mercado, são agravados quase todos os dias”, acrescentou o nosso entrevistado.

Este profissional de saúde, num dos distritos da província de Nampula, “gostaria que acrescentassem pelo menos 1500 meticais” ao seu vencimento actual, mas em função do aumento de 7% anunciado por Carmelita Namashulua, a ministra ministra da Administração Estatal e Função Pública, deverá ver o seu salário crescer menos de 1000 meticais.

Foto de ArquivoPara a Função Pública o Governo de Nyusi determinou que o aumento para será de 7%, para quem ganha menos (professores primários, enfermeiros, auxiliares técnicos de saúde, assistentes técnicos de saúde, médicos, guardas policiais, serviço cívico e forças de defesa e segurança), e de 4% para os melhor remunerados.

O que a partida parece ser uma decisão positiva em termos reais quer dizer que os altos funcionários do Executivo, que ganham cerca de 100 mil meticais, terão um aumento igual ao que ganha actualmente um polícia ou enfermeiro, estes por sua vez verão o seu vencimento aumentar menos de 1000 meticais.

Como é o caso de Cristina, enfermeira na cidade de Nampula, que declarou ao @Verdade que o aumento deveria atingir, pelo menos, 25% para suprir as necessidades básicas. “Eu acho que o salário tinha que aumentar um pouco mais para cobrir as nossas despesas. Só para fazer compras de alimentação precisamos de mais de cinco mil. É complicado para alguém que recebem, por exemplo, nove mil”, desabafou a profissional de saúde.

Não recordando que na sua tomada de posse o Presidente Filipe Nyusi prometeu que a “alimentação condigna não deve constituir um privilégio. Ela é um direito humano básico que assiste a todos os moçambicanos” Júlio, um outro profissional da Educação e Desevolvimento Humano residente no município da Maxixe, disse ao @Verdade que “a luta é para garantir as refeições básicas: água, açúcar, folha de chá, pão ou mandioca cozida, arroz e carapau importado porque o peixe fresco sai mais caro. O coco que na altura comprávamos a 5 meticais agora custa 12 a 20 dependendo do tamanho”.

Os agentes da Polícia da República de Moçambique, que já prometeram reprimir qualquer manifestação popular mesmo que seja pacífica, verão o seu salário crescer somente 7%, o que representa um aumento de menos de 500 meticais para a maioria dos membros da corporação cujo salário ronda os 5 mil meticais.

Pelo menos trabalho não lhes faltará pois certamente o crime será uma alternativa para os milhares de desempregados, e até mesmo alguns trabalhadores, incapazes de ganharem honestamente o seu pão de cada dia em Moçambique.

* por Adérito Caldeira/ Leonardo Gasolina

Comentários   

 
+1 #1 Agostinho 28-04-2016 06:11
SEUS FILHOS DA P*** SUA GERAÇÃO DE LADRAGENS... QUE SE F**** COM VOSSO SALÁRIO DA M***...
Citar
 
 
0 #2 Justto Nakhette 09-06-2016 08:43
Este é o país que temos, depois de 40 anos de independência ainda peoduzimos o que mínimamente comemos; Com a robalheira que tende a ser oficializada ao mais alto nível, e sem dívisas, a importar-se tudo, não há como o custo de vida vir a ser sustentável. Sofrerá, mas sofrerá sempre o pobres nesta bela pérola do Índico
Citar
 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 9
FracoBom