Faixa publicitária
Fósseis do tempo em que a Terra lembrava Marte são descobertos na Gronelândia
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Tecnologias
Escrito por Agências  em 01 Setembro 2016
Share/Save/Bookmark

Os indícios fósseis mais antigos de vida na Terra foram descobertos em rochas de 3,7 biliões de anos na Gronelândia, aumentando as chances de vida em Marte eras atrás, quando os dois planetas eram semelhantemente desolados, disseram cientistas nesta quarta-feira.

Os especialistas encontraram montículos de entre 1 e 4 centímetros de altura em rochas de Isua, no sudoeste da Gronelândia, que afirmaram ser grupos fossilizados de micróbios semelhantes àqueles encontrados hoje em mares que vão das Bermudas à Austrália.

Se forem confirmados como comunidades fossilizadas de bactérias conhecidas como estromatólitos, ao invés de uma formação natural bizarra, os montículos antecederiam em 220 milhões de anos os fósseis encontrados na Austrália na condição de provas mais antigas de vida na Terra.

"Isto indica que a Terra não era mais uma espécie de inferno 3,7 biliões de anos atrás", disse à Reuters o principal autor do estudo, Allen Nutman, da Universidade de Wollongong, a respeito das descobertas publicadas no periódico científico Nature. "Era um lugar onde a vida poderia florescer."

A Terra foi formada cerca de 4,6 bilhões de anos atrás, e a sofisticação relativa dos estromatólitos indicou que a vida evoluiu rapidamente após um bombardeio de asteróides encerrado cerca de 4 biliões de anos atrás.

"Os estromatólitos contêm biliões de bactérias... eles estão fazendo o equivalente a complexos de apartamentos", disse Martin Van Kranendonk, co-autor da Universidade de Nova Gales do Sul que identificou aqueles que até então eram os fósseis mais antigos, datados de 3,48 biliões de anos atrás.

Na época em que os estromatólitos começaram a se transformar em massas gosmentas em um leito de mar esquecido, a Terra provavelmente era semelhante a Marte, com água líquida na superfície e orbitando um sol que era 30 por cento mais ténue do que hoje, disseram os cientistas.

Estes paralelos poderiam ser um novo incentivo para se estudar se Marte já teve vida, afirmaram os autores do estudo. "De repente, Marte pode parecer ainda mais promissor do que antes como domicílio em potencial para a vida no passado", escreveu Abigail Allwood, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, em um comentário na Nature.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom