Faixa publicitária
Xiconhoquices da semana: Facilidade com que se foge de cadeia; Encerramento do Complexo Agro- Industrial de Chókwè; Turmas com mais de 100 alunos no Niassa
Xiconhoca
Escrito por Redação  em 11 Agosto 2017
Share/Save/Bookmark

Os nossos leitores elegeram as seguintes Xiconhoquices na semana finda:

Facilidade com que se foge de cadeia

Não é preciso ser um adivinho para perceber a promiscuidade que existe entre os guardas e os prisioneiros nos estabelecimento prisionais do país. O caso mais vergonhoso deu-se na província de Sofala, concretamente na cidade da Beira, onde 17 reclusos, dos quais 10 condenados e sete em prisão preventiva, fugiram do Estabelecimento Penitenciário Provincial de Sofala, em circunstâncias que levantam algumas questões e suspeitas, pois não se percebe como é que os presos podem ter logrado tal êxito, sobretudo porque a cadeia em alusão, está localizada na baixa da cidade da Beira, numa zona movimentada. É evidente que os guardas, incluindo a direcção do estabelecimento, estão metidos nessa suposta fuga. O mais caricato é que os prisioneiros serraram o arame farpado para materializar os seus planos, sem que ninguém supostamente se apercebesse da evasão.

Encerramento do Complexo Agro- Industrial de Chókwè

Definitivamente, somos um país falhado, onde do nada as indústrias que serviriam de motor de desenvolvimento da economia sucumbem. Aliás, com o tipo de Governo incompetente que temos não se podia esperar outra, senão uma nação que caminha a passos largos para o abismo. Por um exemplo, um complexo agro-industrial, localizado na província de Gaza, que custou 60 milhões de dólares norte-americanos deixou de produzir. O referido complexo foi inaugurado há dois anos, com pompa e circunstância, pelo Presidente da República, Filipe Nyusi, e já mostra sinais exteriores de degradação. O complexo agro-industrial só funcionou a 12% da sua capacidade. São situações como essas quem têm vindo a atrasar o desenvolvimento do país. Quanta Xiconhoquice!

Turmas com mais de 100 alunos no Niassa

É preocupante o cenário de superlotação das salas de aulas no país. Só na província de Niassa, as turmas são composta por mais de 100 alunos. Esta é, sem dúvidas, uma das razões do fraco aproveitamento. Ou seja, a questão da superlotação de salas de aula em determinadas escolas do país influenciam negativamente no processo de ensino e aprendizagem. Niassa aparece como uma das províncias com maior efectivo escolar dos níveis primário e secundário geral, algumas salas de aula chegam a absorver mais de 100 alunos, portanto muito acima da sua capacidade. O mais revoltante é o silêncio das autoridades do sector de Educação que continua a permitir essa situação deprimente. Não é por acaso que o país debate-se com baixa qualidade do ensino.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom