Faixa publicitária
Ladrões de produtos para pulverização de cajueiros desmantelados em Nampula
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Newsflash
Escrito por Júlio Paulino  em 19 Julho 2017
Share/Save/Bookmark

Dois cidadãos moçambicanos que se dedicavam ao roubo de produtos químicos destinados à pulverização de cajueiros foram colocados fora de acção, pela Polícia, na semana finda, na cidade de Nampula, após terem sido supostamente surpreendidos a praticar tal crime.

Os indivíduos foram interpelados, na passada quinta-feira (13), no bairro de Muhala-Expansão, quando preparavam uma viagem para Tanzânia, onde pretendiam vender o produto.

Em sua posse, as autoridades policiais confiscaram duas caixas do produto cujo nome não foi especificado, alegadamente subtraído na delegação do Instituto Nacional do Caju (INCAJU).

Trata-se de produto químico considerado de alto valor comercial e há muito tempo que os roubos são frequentes nos armazéns daquela instituição do Estado.

Antes da detenção dos referidos suspeitos, não se tinha pistas sobre o destino do medicamento e nem dos alegados ladrões.

De acordo com Zacarias Nacute, porta-voz do Comando Provincial da Polícia da República de Moçambique (PRM), em Nampula, decorre uma investigação com vista a apurar as circunstâncias em que o produtos desaparecia no INCAJU.

Acredita-se que os danos estejam a ser protagonizados por uma rede de pessoas ainda por identificar, a qual pode incluir funcionários daquela instituição do Estado.

Nacute, que falava no habitual briefing semanal à imprensa, disse que, na semana passada, foram registados 15 crimes, dos quais um envolve um cidadão acusado de burlar pessoas nas caixas automáticas, vulgo ATM, de bancos.

O visado responde pelo nome de Leonardo Pedro, residente no bairro de Muatala, e recorria a artimanhas para levantar dinheiro em contas alheias.

Na posse do indiciado, a Polícia encontrou 17 cartões de crédito e recuperou dois televisores que acabava de comprar, supostamente com uma parte do dinheiro proveniente de burlas.

O cidadão negou o seu envolvimento no crime de que é acusado e acusou o seu irmão como sendo o responsável por tais práticas.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom