Faixa publicitária
Dois indivíduos detidos por suposto rapto de uma criança em Nampula
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Newsflash
Escrito por Redação  em 18 Agosto 2015
Share/Save/Bookmark

Dois cidadãos encontram-se encarcerado nas celas do Comando Provincial da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Nampula, desde a última sexta-feira (14), acusados rapto de uma criança que sofre albinismo, a qual seria supostamente vendida a um cidadão de nacionalidade nigeriana a quatro milhões de meticais.

Os visados respondem pelos nomes de Albertino António, de 40 anos de idade, e Selemane Saíde, de 50 anos de idade, ambos residentes na vila sede do posto administrativo de Chalaua, distrito de Moma, a sul da província de Nampula.

Ambos praticam a actividade de moto-taxistas. Consta que o rapto da referida petiza foi orquestrado por outros dois indivíduos, por sinal irmãos da mãe da vítima, no posto administrativo de Namitoria, no distrito de Angoche, na mesma província. Os mentores da ideia puseram-se em fuga quando se aperceberem de que os moto-taxistas tinham caído nas mãos da Polícia.

Por volta de 00h00 da última quinta-feira (13), os dois indivíduos ora monte introduziram-se na residência da sua irmã e levaram consigo a petiza para Chalaua, enquanto os pais da vítima estavam a dormir.

Chegados a Chalaua, a menor foi entregue aos dois cidadãos agora a contas com a Polícia e a sua missão era levar a criança a um ponto já identificado, algures no distrito de Gilé, na província da Zambézia, concretamente numa das zonas onde abundam minérios. É nesse lugar onde a criança devia ser entregue como troféu e, por conseguinte, seria feito o pagamento pela vítima.

Albertino António, taxista contratado para levar a menor ao local, e que transportava o seu comparsa e a vítima no seu meio circulante, contou que, na altura em que o plano foi idealizado, ele não sabia que se tratava de rapto. Ele ficou alegadamente surpreendido quando foi interpelando por um dos líderes comunitários daquele distrito, o qual lhe disse que estava a raptar alguém.

“Fui convidado pelo meu colega que era para ir ao Gilé, onde iria carregar dois clientes. Partimos naquela noite e chegados a vila sede fomos interpelados pelo líder e conduzidos de imediato ao posto policial. De lá fomos transferidos para Nampula”, disse Albertino, distanciando-se do envolvimento na rede de trafico de seres humanos, em particular de pessoas que padecem de problemas com pigmentação da pela.

Por seu turno, Selemane Saíde, outro moto-taxista, confesso que os seus clientes lhe revelaram que a menor seria vendida ao preço de quatro milhões de meticais e que só depois de transportar a vítima para o local onde o comprador se encontrava é que seria pago.

De acordo com Gastão de Sousa, comandante distrital da PRM em Angoche, após os pais terem notado a desaparecimento de sua filha informaram as autoridades policiais, que, por sua vez, alertaram a todas as subunidades e os postos fronteiriços da província da Zambézia. A operação culminou com a neutralização dos dois taxistas, um dos quais confessou o crime, mas os cabecilhas encontram-se a monte.

O nosso entrevistado referiu que a menor goza de boa saúde e regressou ao convívio familiar na segunda-feira (17).

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 2
FracoBom