Faixa publicitária
“Quando olhamos para os chineses só vemos as lojas mas esquecemos envolvimento no sector de petróleo e gás”, Chuma Nwokocha
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Economia
Escrito por Adérito Caldeira  em 20 Fevereiro 2019
Share/Save/Bookmark

Foto de Fim de SemanaO Standard Bank acaba de criar, na sua sede em Maputo, “um espaço especialmente dedicado para o atendimento de empresários chineses”, revelou o Administrador delegado do terceiro maior banco comercial em Moçambique desmistificando que “quando olhamos para os chineses só vemos as lojas mas esquecemos, por exemplo, o envolvimento em grandes investimentos como no sector de petróleo e gás”. A fábrica flutuante de gás natural liquefeito que irá extrair gás na Área 4 da Bacia do Rovuma tem financiamento chinês.

Pelo segundo ano consecutivo o Standard Bank reuniu parte dos seus clientes chineses com interesses em Moçambique para actualiza-los sobre o estágio da economia assim como as oportunidades de investimento e as facilidade que a instituição financeira disponibiliza através de um espaço dedicado e onde o atendimento é realizado por gestores oriundos do país asiático.

“Estes têm larga experiência bancária e estão aptos para oferecer o melhor aconselhamento empresarial bem como indicar as soluções financeiras mais ajustadas às necessidades de cada investidor chinês” explicou Chuma Nwokocha, o Administrador delegado do Standard Bank.

Nwokocha disse ao @Verdade que “a carteira de negócios chineses em Moçambique vai crescer, a tendência é para crescer e ser muito mais relevante, muitas vezes quando olhamos para os chineses só vemos a lojas mas esquecemos, por exemplo, o envolvimento em grandes investimentos como no sector de petróleo e gás onde está bem representado”.

Através do Banco Industrial e Comercial da China (ICBC), que detém 20 por cento do Grupo Standard Bank, o gigante país asiático financiou em 1,75 biliões de dólares a fábrica flutuante de gás natural liquefeito que a Eni e parceiros estão a construir para extrair gás na Área 4 da Bacia do Rovuma, no Norte de Moçambique.

Foto de Fim de SemanaChuma Nwokocha afirmou que “para as grandes empresas chinesas o Standard Bank é um destino preferido” e por a instituição financeira que está na vanguarda do uso da moeda chinesa nas suas operações que permitem a conversão de meticais para yuan em todos seus balcões de atendimento no nosso país.

O representante do Banco Industrial e Comercial da China, Sun Gang, declarou que além dos investimentos no sector de petróleo e gás o interesse do empresários do seu país é “na construção de Centrais Eléctricas, Hidroeléctricas e na construção de infra-estruturas”, na perspectiva de tirar partido do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC) que tem disponível para os países africanos 60 biliões de dólares norte-americanos.

Contrariamente a percepção generalizada que os chineses importam preferencialmente a madeira moçambicana as Estatísticas nacionais do Comércio Externo de Bens indicam que os Minérios de titânio e seus concentrados são os principais produtos que Moçambique exporta. Em 2017 as exportações desse minério atingiram os 156,5 milhões dólares norte-americanos e representaram 62 por cento de todas importações de produtos nacionais pela China. A madeira representou apenas 16 por cento das exportações moçambicanas para o país asiático.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom