Faixa publicitária
Caçadores furtivos matam elefante na Reserva do Niassa, baleiam guarda e fogem
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Vida e Lazer - Ambiente
Escrito por Redação  em 11 Janeiro 2018
Share/Save/Bookmark

Um fiscal afecto à Reserva do Niassa foi gravemente ferido com projéctil de uma arma de fogo, na segunda-feira (08), durante uma perseguição a um grupo de caçadores furtivos que abateram um elefante. Foi o 135ª abatido desde Janeiro de 2017. O @Verdade sabe que um destacamento da Unidade de Intervenção Rápida(UIR) foi destacado para reforçar a luta contra os furtivos.

O facto foi confirmado ao @Verdade, telefonicamente, pelo porta-voz do Comando Provincial da Polícia da República de Moçambique (PRM), no Niassa, Alves Mate. Este não soube especificar o tipo de arma usada pelos supostos caçadores furtivos.

Contudo, a Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC) queixa-se do facto de os predadores elefantes, principalmente, na Reserva do Niassa, usarem, com frequência, armas automáticas nas suas operações de caça, enquanto os fiscais recorrem a fisgas e outros instrumentos rudimentares.

O guarda fiscal baleado estava afecto ao bloco 4 daquela área protegida, onde se encontrava na companhia de três colegas.

O @Verdade soube de uma outra fonte que os presumíveis caçadores furtivos não só abateram um elefante, como também apoderaram-se das respectivas pontas de marfins.

Alves Mate disse-nos que os malfeitores continuam a monte e não precisou a identidade da vítima, que segundo ele contraiu ferimentos graves numa das pernas. “Está internada no Hospital Provincial de Lichinga”.

O nosso interlocutor disse que as autoridades policiais estão a trabalhar no sentido de deter os meliantes para que sejam responsabilizados pelos seus actos.

Entretanto o @Verdade sabe que desde a semana passada um destacamento da UIR está no distrito de Mecula para reforçar a luta contra os caçadores furtivos.

Refira-se que entre Janeiro e Dezembro de 2017 pelo menos 134 elefantes foram abatidos por caçadores furtivos na Reserva do Niassa, elevando para 356 paquidermes mortos no ano passado em Moçambique.

 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 1
FracoBom