Faixa publicitária
Ciclone Dineo matou sete pessoas em Inhambane e desabrigou centenas de milhares
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Vida e Lazer - Ambiente
Escrito por Adérito Caldeira  em 17 Fevereiro 2017
Share/Save/Bookmark

Foto de Cidadão RepórterApesar do alerta atempado a passagem do ciclone tropical Dineo pela província de Inhambane, entre quarta-feira(15) e quinta-feira(16), deixou pelo menos sete vítimas mortais, dezenas de feridos e desabrigou cerca de 130 mil pessoas na província de Inhambane. Os meteorologistas afirmaram que o Dineo perdeu força e transformou-se numa depressão tropical, no entanto ainda deverá continuar a influenciar o estado do tempo no Sul de Moçambique.

“Estes óbitos decorreram da queda de árvores sobre casas, isto é houve uma grande acção de sensibilização. A província de Inhambane tem muitas árvores, tem muitos coqueiros, e porque os ventos foram bastante fortes as árvores foram caindo e tivemos infelizmente este registo de sete óbitos”, declarou em conferência de imprensa em Maputo, no início da noite desta quinta-feira(16), Maurício Xerinda, o director do Centro Nacional Operativo de Emergência(CENOE), fazendo o balanço preliminar deste ciclone.

Uma das vítimas mortais é uma criança que foi atingida pela queda de uma árvore no distrito de Massinga.

No pico do ciclone, durante a noite de quarta-feira(15), os ventos superaram os 150 km/h levantando os tectos de dezenas de milhares de habitações, mais de uma centena de escolas, dezenas de unidades sanitárias e edifícios públicos.

Foto de Cidadão RepórterFoto de Cidadão Repórter

O vento deitou abaixo árvores que deixaram intransitáveis algumas vias e danificaram também postes de transporte e distribuição de energia eléctrica, provocando cortes no fornecimento da corrente eléctrica na cidade de Maxixe e nos distritos de Morrumbene, Zavala, Jangamo, Massinga, Inharrime, Funhalouro e Homoíne e condicionando as comunicações.

Foto de Cidadão RepórterFoto de Cidadão Repórter

A intransitabilidade e falta de comunicações está a dificultar as respostas de emergência e a contabilização dos danos e vítimas.

Contrariando as previsões a chuva foi forte mas, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, não caíram mais de 100 milímetros em 24 horas o que terá minimizado as áreas alagadas.

Foto de Cidadão Repórter

As ondas altas que se formaram devido a este ciclone deixaram ainda encalhados numa praia de Inhassoro 16 golfinhos.

Caíram postes de transporte de energia eléctrica entre a Macia e Lionde

Já na província de Gaza os efeitos do Dineo foram sentidos com muito menos intensidade, em Mandlakazi, Xai-Xai e Bilene. O CENOE não registou nenhuma vítima nem feridos.

Há no entanto quatro salas de aulas que ficarem sem tecto e sete postes de transporte de energia eléctrica, entre a Macia e Lionde, caíram afectando o fornecimento de electricidade aos distritos de Guijá, Mabalane e Massingir.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 7
FracoBom