Faixa publicitária
Camionistas denunciam corrupção na Cimentos de Moçambique em Nacala
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Nacional
Escrito por Redação  em 16 Dezembro 2015
Share/Save/Bookmark

Além da subida de preço de cimentos face à depreciação Metical, instalou-se, nos últimos dois meses, na empresa Cimentos de Moçambique, área operacional de Nacala, um esquema de corrupção no processo de venda e transporte daquilo que é um dos principais produtos em uso na construção de empreendimentos. O esquema, segundo os camionistas, envolve os funcionários daquela unidade fabril em Nacala-Porto e os afectos à sede em Maputo.

Até Novembro último, as facturações para a aquisição do cimento a partir da fábrica de Nacala-Porto eram feitas localmente, mas, nos dias que correm, as mesmas são efectuadas na sede, na capital do país, Maputo. Por essa razão, os camionistas dizem que ficam muito tempo na fila para proceder ao carregamento de cimento.

Antes do mês de Novembro, por dia, em média, 14 camiões carregados de mais de 200 sacos de cimento, saiam daquela fábrica. Presentemente, entram nas instalações daquela unidade fabril não mais de seis veículos. Os camionistas afirmam que só é permitido a entrada de quem tenha previamente pago suborno aos funcionários.

Artur António, de 54 anos de idade, trabalha para um cidadão de origem asiática, proprietário da SIDIC Comercial na cidade de Mocuba, província da Zambézia. Ele conta que se encontra há três semanas nas instalações daquela firma, à espera de ser atendido. “Um funcionário disse-me que só serei atendido se dar refresco a ele e ao colega dele em Maputo e eu não tenho dinheiro”, afirmou.

Um outro condutor identificado apenas por Albano disse que está naquele local já faz duas semanas e meia. Durante a sua estadia, ele usou todo dinheiro de ajudas de custo e, neste momento, está entregue à sua própria sorte. “Eu pensava que seria atendido em menos de uma semana, mas percebi que é preciso subornar os funcionários para sair desta fila”, disse.

Quando contactada, a empresa Cimentos de Moçambique, área operacional de Nacala, disse que a demora no carregamento tem a ver com a facturação que, actualmente, é feita em Maputo, e também deve-se à baixa produção originada pela falta de corrente eléctrica que se regista com regularidade no norte do país.

Por seu turno, a Inspecção Nacional de Actividades Económicas (INAE) admite haver corrupção naquela fábrica e diz que vai junto da empresa perceber as normas de funcionamento. A  INAE afirma, igualmente, que em casos de colher provas suficientes serão sancionados os agentes que promovem a corrupção.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom