Faixa publicitária
Baixa qualificação dos trabalhadores é entrave
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Nacional
Escrito por Redação  em 01 Novembro 2010
Share/Save/Bookmark

A economia moçambicana é, em parte, menos competitiva devido à baixa qualificação da mão-de-obra do país, considera a Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA), a maior organização patronal do país.

Durante a sessão da Comissão Consultiva do Trabalho (CCT), uma instância que reúne regularmente sindicatos, Governo e patronato, o representante da CTA no encontro, Justino Chemane, afirmou que “as empresas moçambicanas não têm alternativa senão o recurso à mão-de-obra estrangeira, se quiserem competir na África Austral”.

“A fraca qualificação dos nossos quadros significa que as empresas não têm alternativa a não ser o recurso ao recrutamento de mão-de-obra de outros países”, sublinhou Justino Chemane.

A rigidez da Lei do Trabalho moçambicana torna a opção pela mão-de-obra um ónus para as empresas do país, uma vez que têm de provar ao Ministério do Trabalho que é imprescindível recrutar no exterior, por falta de pessoal com qualificações para o posto em causa, assinalou.

Apesar de a actual lei laboral moçambicana estar em vigor há apenas três anos, tem sido acusada pelo patronato e investidores de ser mais favorável à mão-de-obra local e um entrave ao investimento.

Vários estudos apontam o ensino moçambicano como um dos mais atrasados da África Austral, baseando-se no facto de crianças moçambicanas completarem o ciclo primário sem competências na leitura e escrita.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 1
FracoBom