Faixa publicitária
Supremo ratifica forca para condenados por estupro que comoveu a Índia
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Internacional
Escrito por Agências  em 09 Julho 2018
Share/Save/Bookmark

O Tribunal Supremo da Índia ratificou nesta segunda-feira a pena de morte para três dos quatro condenados por estuprar em 2012 uma jovem que morreu dias depois, em um caso que comoveu o país e levou ao endurecimento da legislação contra ataques sexuais.

Os magistrados, liderados pelo presidente do principal órgão judicial, Dipak Misra, rejeitaram os recursos apresentados por três dos quatro condenados à pena capital, Mukesh (de 29 anos), Pawan Gupta (22) e Vinay Sharma (23).

Os recursos pediam que a pena de morte fosse trocada pela de prisão perpétua.

"O Tribunal Supremo tomou sua decisão sobre esses jovens sob pressão pública, pressão política e pressão midiática", denunciou em declarações aos veículos de imprensa na saída do tribunal o advogado da defesa, A.P. Singh.

Ao ser perguntado se restam opções de recurso, Singh afirmou que ainda há "processos legais" para recorrer da sentença.

O quarto condenado à morte não apresentou recurso. Outro dos seis envolvidos no crime, Ram Singh, apontado como líder do grupo, suicidou-se supostamente em Março de 2013 na prisão, enquanto um sexto, menor de idade, foi condenado a três anos de reclusão num estabelecimento correcional e ganhou liberdade em Dezembro de 2015 após cumprir a sentença.

A libertação suscitou protestos e dois dias depois o parlamento aprovou as emendas para reduzir a maioridade penal para poder julgar como adultos menores com entre 16 e 18 anos.

A vítima, uma estudante de fisioterapia de 23 anos, retornava para a sua casa em 16 de Dezembro de 2012 com um amigo num autocarro onde foi estuprada e torturada pelos seis homens durante horas e morreu 13 dias depois em um hospital de Singapura.

De acordo com números da Agência Nacional de Registro de Crimes da Índia (NCRB, na sigla em inglês), em 2016, o último ano contabilizado, houve 38.947 estupros no país, dos quais 2.167 foram em grupo.

Embora na Índia exista a pena capital, a aplicação da mesma é muito restrita. A última execução aconteceu em 30 de julho de 2015, quando Yakub Memon foi enforcado pela sua participação nos atentados que em 1993 deixaram 257 mortos em Mumbai.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 1
FracoBom