Faixa publicitária
Índia tem protestos após casos de estupro infantil que chocaram o país
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Internacional
Escrito por Agências  em 14 Abril 2018
Share/Save/Bookmark

Protestos irromperam em toda a Índia depois que políciais e um político foram mencionados separadamente em conexão com dois casos não relacionados de estupro infantil que agora estão sob investigação. Causaram revolta os detalhes divulgados pela polícia sobre o estupro de uma menina de 8 anos que foi sequestrada, sedada e violada por um grupo em um templo hindu de Kathua, em Jammu e Caxemira, Estado do norte indiano.

Os perpetradores a mantiveram durante dias, e depois a assassinaram e se desfizeram de seu corpo na floresta, informou a polícia.

Um ex-funcionário do governo e um polícia que estava investigando a queixa dos pais sobre sua filha desaparecida são citados no formulário de acusação da polícia. Outros são acusados de tentarem acobertar o crime, e quatro policiais foram presos até agora, disse Deepika Singh Rajawat, advogado que representa a família da vítima.

Em outro caso, um homem morreu nesta semana sob custódia da polícia depois de acusar um parlamentar do partido governista Bharatiya Janta do Estado de Uttar Pradesh de ter sequestrado e estuprado sua filha de 16 anos nove meses atrás.

A polícia não investigou as alegações contra Kuldeep Singh Sengar, membro da legislatura estadual, mas o Escritório Central de Investigação da Índia assumiu o caso na quinta-feira. Sengar negou envolvimento, mas o caso ajudou a consolidar um movimento que pede justiça para as vítimas de estupro.

“Os dois casos abalaram a consciência da nação, abalaram os corações e as almas das pessoas”, disse Feroze Mithiborwala, organizador de um protesto em Mumbai nesta sexta-feira. Rahul Gandhi, presidente do Congresso, o maior partido oposicionista do país, liderou uma marcha com velas na noite de quinta-feira em Nova Déli.

Grupos de cidadãos estão planeando novas manifestações em Nova Déli, Hyderabad, Chennai e Kolkata nos próximos dois dias, e milhares de pessoas foram às redes sociais pedir justiça para as vítimas.

A violência sexual continua sendo um tabu na Índia, e os sobreviventes temem sofrer estigmas ou retaliações se denunciarem ataques. Mas o número de casos registrados pela polícia vem crescendo constantemente desde a revolta nacional provocada pelo estupro e o assassinato coletivo de uma estudante em um ônibus em Nova Déli em 2012.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom