Faixa publicitária
Moçambique prefere empréstimos da China apesar de serem mais caros - Economist
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Economia
Escrito por Lusa  em 06 Outubro 2014
Share/Save/Bookmark

O Governo de Moçambique tem contraído empréstimos à China apesar de haver credores internacionais mais baratos, e tem feito "más escolhas" relativamente às grandes obras públicas, escreve a Economist Intelligence Unit (EIU) no relatório deste mês sobre o país.

De acordo com o 'Country Report' de setembro, a que a agência Lusa teve acesso, "apesar de as grandes carências em infraestruturas impedirem o país de realizar completamente o seu potencial, as autoridades fizeram um conjunto de más escolhas em investimentos nos últimos anos, com alguns projetos financiados por empréstimos a parecerem mais terem sido feitos por uma questão de prestígio do que para cumprirem objetivos de redução da pobreza ou de planeamento nacional".

Um exemplo dado pela unidade de análise económica da revista britânica The Economist é a utilização de "um projeto de 700 milhões de dólares para construir uma ponte do centro de Maputo até ao pouco povoado bairro de Catembe".

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom