Faixa publicitária
Moçambique em 127º lugar no acesso da indústria ao financiamento
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Economia
Escrito por {ga=fchuquela}  em 09 Maio 2012
Share/Save/Bookmark

Devido a dificuldades de acesso aos créditos bancários para o desenvolvimento de pequenas e médias empresas do ramo industrial, Moçambique está na 127ª posição em termos de financiamento àquele tipo de firmas, segundo dados contidos num estudo da Associação Industrial de Moçambique (AIMO).

O estudo avaliou o acesso a financiamento de indústrias de 183 países e constatou que, “em África, Moçambique está mais atrasado que Angola, Maurícias e Tanzânia e, largamente, afastado da África do Sul”, de acordo com a pesquisa divulgada durante a II Conferência sobre Competitividade e Industrialização de Moçambique realizada esta segunda-feira, em Maputo.

De 174 pequenas e médias empresas abrangidas por aquele estudo, verificou-se que “menos de 10% do investimento realizado em capital fixo e circulante pelas pequenas e médias empresas moçambicanas provêm do sistema bancário local”, salienta ainda a mesma pesquisa.

As causas do fraco acesso a financiamento àquele ramo estão ligadas à ausência e/ou baixa operacionalidade das instituições de apoio à gestão de riscos de crédito do sistema financeiro, falta de bancos orientados para financiamento a longo prazo e concorrência movida pelo sector empresarial, destaca o documento.

Para a AIMO, em Moçambique, o crédito encontra-se concentrado nos sectores da economia em risco mínimo e retorno rápido, com destaque para particulares e comércio.

Consequências Com o aprofundamento da crise financeira internacional, os bancos vão racionar ainda mais o fluxo de recursos ao sector industrial, “ao mesmo tempo que os custos enfrentados pelos poucos que conseguem financiamentos tornar-se-ão cada vez mais altos, comprometendo a já débil capacidade competitiva do sector”, alerta ainda o estudo.

Por outro lado, o documento refere que com baixo nível de rendimento e sem recursos financeiros, “a capacidade de investimento do moçambicano médio é, em consequência, mínima”, segundo ainda a AIMO, salientando que “não é por isso surpreendente que o investimento directo estrangeiro seja 16 vezes mais que o nacional”.

Aquela situação concorre para que as empresas reduzam a sua produção na medida em que os parcos recursos mobilizados para o capital circulante têm de ser racionalizados para financiar capital fixo, “já que os créditos para esta categoria são os mais escassos do sistema financeiro doméstico”.

Comentários   

 
0 #21 Dominic 25-04-2017 22:25
The same is going on in India, they too went through a house boom, but at the
very least they have got an IT industry and something to export and provide themselves.
You might want to adopt advantage from the shopping facilities
to acquire those very last minute purchases
you need. Elections are merely given to the people just as one illusion that they've a selection, but we're not looking in the picture properly.



Feel free to surf to my web page - hyperinflation (Raphael: http://Www.Iclatam.com/UserProfile/tabid/42/userId/962825/Default.aspx)
Citar
 
 
0 #22 Willard 26-04-2017 04:46
If you are looking for small constant gains
more than a any period of time, not a get rich quick scheme then Forex Bullet Proof is obviously worth
trying. One of the nice things linked to this robot unlike
others is when you experience a power outage, this software can easily still trade from another computer elsewhere without
missing a beat. I couldn't overstate this time: you need to be at the least just the thing for your clients.


my web page: buy Body: http://Www.suavexxx.com/tube/profile/Newton93164095350250/blog/forex-bulletproof-overview-8Fl9J4eZxKS.html
Citar
 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 3
FracoBom