Faixa publicitária
Banco Mundial admite que não suspendeu apoio ao Orçamento de Estado de Moçambique
Escrito por Adérito Caldeira  em 25 Julho 2017
Share/Save/Bookmark

Foto de Adérito CaldeiraO Banco Mundial admitiu, como o @Verdade revelou, que não suspendeu o seu apoio financeiro directo ao Orçamento de Estado de Moçambique, não alinhando com a posição do Fundo Monetário Internacional(FMI) e outros doadores quando descobriram em Abril de 2016 a extensão dos empréstimos inconstitucionais e ilegais. “Nós não suspendemos porque teria um impacto negativo na população” admitiu nesta segunda-feira(24) Mark Lundell, o representante da instituição no nosso país, que ainda referiu que “até expandimos a nossa participação”.

Em Maio passado o @Verdade revelou que o Banco Mundial tinha injectado no Orçamento de Estado(OE), entre Janeiro e Março deste ano, mais 3,3 biliões de meticais em donativos, créditos ao Ministério da Economia e Finanças, Créditos para Sector específicos, Acordos de retrocessão e ainda para o Fundo de Apoio ao Sector de Educação(FASE).

Um valor que o @Verdade apurou analisando os Relatório de Execução do Orçamento do Estado de 2017, 2016 e de 2015 e concluiu não ter havido redução significativa depois de Abril de 2016, altura em que o FMI descobriu os empréstimos que a Proindicus e Mozambique Asset Management (MAM) haviam contraído secretamente além do conhecido empréstimos inconstitucional e ilegal da Empresa Moçambicana de Atum.

Comparativamente no primeiro trimestre de 2016, portanto antes da suspensão do apoio directo dos doadores ao OE, o Banco Mundial havia concedido ao Orçamento moçambicano 2,1 biliões de meticais, excluindo os fundos alocado para o FASE. Em igual período de 2017 a instituição financeira de Bretton Woods injectou 2,5 biliões de meticais, excluindo o dinheiro para o FASE.

“Os investimentos no sector de Educação, Saúde, apoio de inclusão económica, por exemplo na área de gestão de Agricultura e Recursos Naturais, todos foram para frente e igualmente como outros doadores mantém apoio a esses sectores. Nós não suspendemos porque teria um impacto negativo na população e mantemos esse apoio e, como o director executivo mencionou, até expandimos a nossa participação nessas área” admitiu Mark Lundell quando questionado pelo @Verdade nesta segunda-feira(24), durante uma conferência de imprensa em Maputo.

Aliás o propósito do encontro com jornalistas foi a visita do Diretor Executivo do Banco Mundial, Andrew Bvumbe, que durante dois dias avalia a implementação em Moçambique de diversos projectos e actividades financiadas pela instituição que nos próximos pretende injectar mais 1,7 bilião de dólares norte-americanos no nosso país.

Na verdade a preocupação do Banco Mundial, no que aos empréstimos da Proindicus, EMATUM e MAM, diz respeito relaciona-se com a sustentabilidade da Dívida Pública de Moçambique afinal parte significativa dos fundos que continua a disponibilizar para o Orçamento de Estado são novos empréstimos que em algum momento os moçambicanos devem pagar de volta.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 2
FracoBom