Faixa publicitária
Comitiva de Dhlakama atacada por forças governamentais no centro de Moçambique
Escrito por Lusa  em 13 Setembro 2015
Share/Save/Bookmark

Uma caravana de automóveis em que seguia o presidente do partido Renamo, Afonso Dhlakama, foi atacada no início da noite deste sábado(12) na província de Manica, por homens das forças de defesa e segurança de Moçambique havendo cinco feridos, mas o líder da oposição saiu ileso.

O ataque, testemunhado pela agência Lusa no local, foi dirigido por homens da Unidade de Intervenção Rápida das forças de defesa e segurança de Moçambique, cerca das 19:00, em Chibata, junto do rio Boamalanga, quando a comitiva de Dhlakama regressava de um comício em Macossa e se encaminhava para Chimoio, capital de Manica.

Os militares do partido Renamo responderam aos tiros e entraram no mato em perseguição dos homens da UIR, enquanto o resto da comitiva, incluindo Dhlakama, permaneceu no local.

O carro do presidente da Renamo não foi atingido, mas o motorista de um dos veículos da caravana ficou ferido com gravidade.

Um militar da Renamo avançou à Lusa a existência de outros quatro feridos entre os homens da UIR.

Polícia nega autoria de ataque

A polícia moçambicana negou a autoria da emboscada no sábado contra a caravana do líder do partido Renamo atribuindo o ataque a um grupo de desconhecidos. "Quem disparou não consigo descortinar", afirmou, em declarações à agência Lusa, Armando Mude, comandante da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Manica.

"A informação que tenho é da existência às 19:30 de um tiroteio, um pouco depois do cruzamento de Tete. Eu não consigo chegar lá, porque trata-se de uma caravana de homens armados (da Renamo), com um efectivo de cerca de 40 a 50 homens", declarou Armando Mude.

"Não sabemos quem disparou", insistiu à Lusa o comandante provincial da PRM, alegando que "ou a Renamo entrou na emboscada ou fez a emboscada" e que ainda tinha poucas informações, pela circunstância de ser noite e de se tratar de uma ocorrência envolvendo um partido com uma força armada.

Quase vinte minutos depois da emboscada, repelida a tiros pela guarda do partido Renamo, uma viatura da UIR, lotada de agentes desta força, passou no local, fazendo sinais de emergência, observou a Lusa. Meia hora depois uma ambulância cruzou também o local em direcção a Chimoio.

Após o ataque, e face à ameaça de uma segunda emboscada, Afonso Dhlakama, que comandou pessoalmente o desdobramento da sua guarda, ordenou que fosse feito uma escolta da sua caravana a pé para os restantes 15 quilómetros para Chimoio e que demoraram quatro hora a percorrer.

A viatura em que seguia o líder da Renamo foi alvejada com um tiro na porta esquerda, sem feridos. Já o carro em que seguia a segurança privada de Dhlakama ficou com o párabrisa quebrado, e um terceiro veículo ficou imobilizado, com os pneus furados por balas.

Comentários   

 
-1 #1 beachboy_prt 13-09-2015 10:29
...a mentalidade dictatorial da Frelimo bem à vista!...totalm ente incapaz de respeitar a existência de outros partidos...para poder roubar à vontade o trabalho e a riqueza criada em Moçambique!...m uito lamentável e muito grave!...quem paga as consequêcias, é o povo Moçambicano que está condenado a viver na miséria enquanto o país viver em ditadura...tão simples quanto isto!...
Citar
 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 19
FracoBom