Faixa publicitária
Ferroviário da Beira e Costa do Sol tentam salvar a época na final da Taça de Moçambique
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Desporto
Escrito por Adérito Caldeira  em 30 Setembro 2018
Share/Save/Bookmark

O Ferroviário da Beira, que eliminou a Liga Desportiva de Maputo por 3 a 1, e o Costa do Sol, que suplantou o Maxaquene por 5 a 2, vão enfrentar-se na final da Taça de Moçambique em futebol tentando salvar uma época má no Moçambola.

Ainda lutar pela manutenção no campeonato nacional de futebol a equipa treinada por Rogério Gonçalves que trazia um empate a 1 bola do jogo da 1º mão disputado no “Chiveve” e entrou ao ataque neste sábado (29) no relvado dos “muçulmanos” na Matola.

Antes dos anfitriões conseguirem criar perigo Babo, na recarga de uma jogada confusa na área da Liga, abriu o placar, decorria o minuto 20.

Cerca de 2 minutos depois Dayo garantiu a presença na final da segunda mais importante prova de futebol em Moçambique, pela 6ª ocasião na sua história, depois de receber um passe longo do seu meio campo, deixou a defesa da Liga para trás e com o pé esquerdo atirou para o canto mais longe do guarda-redes anfitrião.

“Hat-trick” de Chawa coloca Costa do Sol na 16ª final da Taça

Os detentores da Taça que também a precisarem de salvar uma desastrosa temporada no nacional de futebol entraram para o relvado do estádio nacional do Zimpeto, que será o palco da final no 2º fim-de-semana de Novembro, para confirmar a sua presença em mais uma final da Taça, trazendo uma vantagem de 2 a 1 da 1º mão da meia-final.

Com “míssil” disparado com o pé direito, do meio do meio campo, Chawa abriu o placar na partida disputada neste domingo (30).

O Maxaquene, também a precisar de salvar mais uma má época no Moçambola, deu luta e empatou por Mutong que à passagem do minuto 22 esticou-se para emendar para o fundo das malhas um cruzamento da direita.

Mas no minuto 37 o avançado malawiano dos “canarinhos” bisou, mergulhando e cabeceando um bom centro sem chances para o guarda-redes Zacarias.

Os “tricolores” continuaram a tentar reduzir a desvantagem mas Chawa estava numa tarde memorável e sentenciou o apuramento para a final 16ª final da Taça de Moçambique depois de grande trabalho de Nelson que deixou para trás dois defensores, fintou o guarda-redes e serviu o companheiro que não perdoou.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 1
FracoBom