Faixa publicitária
Bob Dylan em discurso do Nobel: canções têm de comover pessoas, não fazer sentido
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Vida e Lazer - Cultura
Escrito por Agências  em 06 Junho 2017 (Actualizado em 08 Junho 2017)
Share/Save/Bookmark

O cantor e compositor Bob Dylan, vencedor do Prémio Nobel de Literatura, disse nesta segunda-feira que, ao contrário da literatura, as suas canções sempre foram feitas para serem cantadas, não lidas, e que elas precisam apenas comover as pessoas, não fazer sentido.

A decisão da academia sueca de dar o Nobel de Literatura do ano passado para Dylan, que "criou novas expressões poéticas dentro da grande tradição musical americana", foi vista como um tapa na cara de escritores tradicionais de poesia e prosa.

Na sua carta para o Nobel, Dylan, notoriamente tímido com a mídia, disse: "As nossas canções são vivas na terra dos vivos. Mas as músicas são diferentes da literatura. Elas são feitas para serem cantadas, não lidas".

"Se uma canção te comove, isso é tudo, é isso que importa. Não preciso saber o que uma canção significa. Tenho escrito todo tipo de coisas nas minhas canções. E não vou me preocupar com isso - o que tudo significa", disse ele no discurso divulgado no site da academia.

Dylan, o primeiro cantor e compositor a vencer o Nobel, ficou em silêncio sobre o prémio por semanas após ele ser anunciado e ele não compareceu à cerimónia de entrega do prémio e ao banquete que a seguiu.

Os vencedores do Nobel precisam entregar uma carta seis meses após a entrega de premiação, que aconteceu no dia 10 de Dezembro, para que recebam o prémio de 8 milhões de coroas suecas (900 mil dólares). O discurso não precisa necessariamente ser feito em Estocolmo.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom