Faixa publicitária
Bitonga Blues - Zena Bacar está aí... na coxia
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Vida e Lazer - Cultura
Escrito por Alexandre Chaúque ([email protected])  em 26 Janeiro 2009 (Actualizado em 27 Janeiro 2009)
Share/Save/Bookmark

 

Não me perguntem porquê, mas ela faz-me lembrar a Bessie Smith. Também nascem feridas dolorosas dentro de mim quando penso nela, no facto de este país ter uma mulher que emana leite e mel e, mesmo assim, passar pelas ruas sem que ninguém lhe dê prioridade. Eu, particularmente, não estou preocupado com tanta mediocridade que aparece por aí, mas revolto-me quando essa mediocridade é hastaeada como bandeira de todos os moçambicanos, envergonhando-nos perante aqueles que sabem o que é boa música. Algumas meninas que andam por cá, já se arvoram divas. Mas divas de quê?! Moçambique tem divas, sim, e uma dessas divas é Zena Bacar, não é qualquer menina “bonita” que veste saias curtas, maquilha-se e vai ao palco abanar o traseiro, como se isso fosse o bastante para se ser notável.

O que me dói mais é que ministros (incluindo os dois da Educação e Cultura, nomeadamente Ayres Aly e Luís Covane), são arrastados para essas palhaçadas (que de palhaçada não têm nada, pois palhaço é um artista e estes não são artistas, pois não têm alma), onde vão bater palmas, congratulam esses jovens e no fim dizem: estão de parabéns. Que parabéns, senhores ministros? Será que não percebem que aquilo que fazem muitos desses jovens está completamente despido de qualquer categoria? Não sabem, senhores ministros, que, indo aplaudir esses jovens, se tornam cúmplices dessa mediocridade? Não percebem, senhores ministros, que, abraçando esses jovens, também vós vos tornais pobres de espírito? Ah, meu Deus do Céu!

Numa cerimónia na Casa Branca, nos Estados Unidos, Georg Bush convidou e galardoou B.B. King, por ser (disse isso o Presidente) – juntamente com a sua guitarra – uma das coisas mais importantes que à América têm. O artista que vai à Casa Branca nos Estados Unidos é porque é bom. Mas em Moçambique, à Ponta Vermelha, qualquer artista medíocre tem acesso e a culpa não pode ser do Presidente Guebuza. Então de quem será? Perguntem ao ministro Aires Aly e ao vice-ministro Luís Covane.

Zena Bacar é feita de outros cristais. Ela é fogo. Zena merece tratamento VIP. Falo dela hoje como já falei e tenho falado, de outros colegas, que são simplesmente muito bons e que, enquadradados devidamente, orgulhariam o país inteiro.

Escutem a voz da Zena Bacar. Prestem atenção à movimentação dela no palco. Falem com ela de perto. Sintam a sua respiração. Ponham a vossa mão no peito da Zena e escutem o batimento do coração. Depois venham dizer-me quem é esta mulher. Não pretendo que lhe dêem esmola. Ela não precisa de esmola. Ela merece o lugar que conquistou com talento e transpiração. Mas ninguém liga a isso, em benefício de uma legião de jovens que nem deviam ser ouvidos. Temos um país com uma área musical desenvolvida ao avesso. Um país paradoxal, onde aqueles que não têm valor são os idolatrados e aqueles que têm realmente valor são humilhados.

Tenho para mim que Zena Bacar e seus companheiros talentosos e trabalhadores é que deviam estar na proa da nossa música, mas eles estão na coxia. Alguns deles já não acreditam em nada. Continuam vivos porque não podem morrer. Coçam constantemente as suas feridas mantendo-as vivas, para não se esquecerem de que estão a sofrer. Zena Bacar também, ela tem essas feridas, mas entregou-as a Deus.

É isso: Zena Bacar é nossa fonte de água.

 

Comentários   

 
0 #1 genitho 08-02-2009 11:53
Não entendo porque pode se dar ao luxo de criar" bitonga blues", uma especie de mistura entre o bitonga moçambicano e blues americano, para referir sei lá o quê e ao mesmo tempo este mesmo criador, questiona os jovens cantores numa comparação com Zena Bacar e ministros a mistura.
Ou melhor, o que tem haver o sucesso e reconhecimento dos jovens com o não reconhecimento segundo diz da Zena Bacar.O Sr.Vive o tempos do Estado-nação, uma lingua, uma musica, um traje, etc, mas ja imaginou que com o transnacionalis mo estes Estados-naçãp perdem o seu poder de controlo?Então, esse jovens não são fruto do governo como foram os CNCD,RM,Ghorowa ne, etc que primeiro era o Estado que reconhecia("bon s rapazes") e depois seguiam-se as orientações para que o Povo emana-se.A Zena foi vitima do proprio Eyuphuro(olha para ela enquanto um processo e não somente a situação actual), ao passo que estes jovens compraram a sua t.shirt, shoes, computadores, estudios, instrumentos e criaram a sua musica.Resultad o enchem pavilhões, praças, dançam pobres, velhos, jovens, só alguns intelectuais da nossa praça que não gostam ou sabem diferenciar a macro e a micro music como diz sloben ,podem falar assim do jovens.Para voces os bons musicos são Jose mucavel.H.Langa , Zena Bacar, Chico Antonio, será que por serem da vossa geração ou não se terem criado mais musicos,estilos e linguagem musicais em Moçambique? Falar de um acto cívico de abraçar e elogiar um jovem por parte do ministro da...cultura, como algo condenavel é no minímo bizarro.Deixem os ministros trabalharem, deixem os músicos trabalharem, não misturem as coisas .
Se quiser alguns estudos sobre isto ofereço com muito gosto.
Citar
 
 
0 #2 Amosse 23-10-2009 08:37
tenho muita pena desse jovem que mal soube interpretar a intencao do Siabongafirmino ,mas aproveitar a ocasiao para saudar e congratular por esse Bitonga's blues foi o maximo desta a publicacao dos mesmo.

Recorro-me as palavras do Jose Mucavel para argumentar o comentario acima, os Jovens fazem bem ou mal o que fazem, mas culpa de tudo isto E dos pais.
Citar
 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 2
FracoBom