Faixa publicitária
Opositor afirma que tomará posse como presidente do Quénia em 12 de dezembro
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - África
Escrito por Agências  em 29 Novembro 2017 (Actualizado em 30 Novembro 2017)
Share/Save/Bookmark

O líder da oposição do Quénia, Raila Odinga, anunciou que tomará posse como presidente do país no próximo dia 12 de Dezembro, já que não reconhece a vitória de Uhuru Kenyatta, que foi empossado no cargo nesta terça-feira, informaram meios de comunicação locais.

Num comício realizado nesta terça-feira em Nairóbi minutos depois de Kenyatta tomar posse, Odinga afirmou que não reconhece o actual chefe de Estado como presidente legítimo.

"Uhuru Kenyatta não é o presidente do Quénia. Não reconhecemos as eleições de 26 de Outubro, foram uma farsa. 83% da população as boicotou", afirmou Odinga perante seus seguidores.

O seu partido, a Super Aliança Nacional (NASA, na sigla em inglês), boicotou este pleito por considerar que a Comissão Eleitoral não garantia que não voltariam a se repetir as irregularidades que provocaram a anulação dos resultados dos pleitos presidenciais de 8 de Agosto.

O boicote foi fundamental na queda da participação, que caiu de 79,5% para 38,9% (o 83% de abstenção citado pro Odinga é uma estimativa da NASA, não um dado oficial), o que permitiu a Kenyatta alcançar a vitória com mais de 98% dos votos.

No seu discurso, Odinga apontou como exemplo a seguir os fatos recentes no Zimbabwe, onde Robert Mugabe se viu forçado a renunciar após 37 anos no poder, o que abriu passagem para a proclamação como presidente de Emmerson Mnangagwa, que tinha sido destituído como vice-presidente duas semanas atrás.

"Vocês sabem que Raila Odinga não é um covarde. Na semana passada, Mnangagwa foi empossado. Faremos como ele: tomou posse do seu cargo e foi ao palácio presidencial", declarou o líder opositor.

O NASA utilizará a assembleia popular, um mecanismo que anunciou semanas atrás para exercer um poder alternativo no país, para empossar Odinga como presidente do Quénia.

Pouco depois, enquanto Odinga cedia a palavra a outro dos líderes do partido, Musalia Mudavadi, a polícia chegou ao local e começou a lançar gás lacrimogéneo e dispersou a multidão, segundo a emissora "Citizen TV".

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 1
FracoBom