Faixa publicitária
Filho de ex-Presidente senegalês condenado a 6 anos de prisão
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - África
Escrito por Agências  em 24 Março 2015
Share/Save/Bookmark

O Tribunal de Repressão do Enriquecimento Ilícito (CREI) do Senegal condenou segunda-feira em Dakar Karim Wade, filho do ex-Presidente Abdoulaye Wade e antigo ministro da Cooperação Internacional, Transportes e Infraestruturas, a seis anos de prisão e ao pagamento duma multa de 138 biliões de francos CFA (cerca de 229 milhões e 713 mil dólares americanos) por enriquecimento ilícito.

O seu principal coacusado, Bibo Bourgi, foi condenado a cinco anos de prisão e uma multa de 130 biliões de francos CFA (cerca de 216 milhões e 396 mil dólares americanos). Adiado a 19 de fevereiro último após audição dos réus e das testemunhas, e argumentos dos advogados da acusação (Estado do Senegal) e da defesa, o veredito foi divulgado na ausência de Karim Wade mas na presença do seu pai, o antigo Presidente Abdoulaye Wade (2000-2012), e de vários responsáveis do Partido Democrático Senegalês (PDS), ex-partido no poder.

No seu requisitório, o procurador requereu sete anos de prisão contra Karim Wade, o confisco de todos os seus bens e a perda dos seus direitos cívicos, enquanto os advogados do Estado do Senegal reclamavam por 250 biliões de francos CFA (cerca de 416 milhões e 147 mil dólares americanos) de indemnizações pelos prejuízos causados ao seu cliente.

Em detenção provisória desde 18 de abril de 2012, Karim Wade devia justificar a origem da sua fortuna estimada em 117 biliões de francos CFA (cerca de 194 milhões e 757 mil dólares americanos), oito viaturas de luxo, duas casas adquiridas enquanto era ministro, de 2009 a 2012, várias empresas, bem como contas bancárias em paraísos fiscais.

O julgamento, que arrancou a 31 de julho último, foi manchado por vários incidentes e batalhas de procedimentos que levaram o antigo ministro a observar uma greve de fome e uma parte dos seus advogados a boicotar o fim do julgamento.

A tensão subiu há vários dias no seio do PDS e dos seus aliados que se mobilizaram para a libertação de Karim Wade. A 13 de fevereiro, a coordenadora do movimento "Karim Horizon 2017", Aminata Nguirane, e um célebre lutador, Bathie Seras, foram detidos por tentativa de distúrbio da ordem pública e planificação de atos de vandalismo em perspetiva duma condenação de Karim Wade.

Um dos advogados de Karim Wade e responsável do PDS, Amadou Sall, foi detido terça-feira passada por incitação à violência e ofensa ao chefe de Estado, Macky Sall. Para prevenir manifestações dos apoiantes de Karim Wade, o Ministério do Interior desdobrou forças da ordem em várias artérias e locais sensíveis de Dakar, a capital senegalesa.

O veredito ocorre dois dias depois do congresso do PDS que designou sábado, em Dakar, Karim Wade como candidato do partido da oposição às eleições presidenciais de fevereiro de 2017.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom